A Cidadania Universal da Igualdade da Diferença: As ‘Acessibilidades’ Formativas e Formadoras de Acções, Conhecimentos e Experiências

Financiamento
POPH/QREN

 

Investigadores responsáveis
Ariana Cosme
Rui Trindade

 

Equipa de investigação
Ana Pérez
Vânia Cosme
Raquel Monteiro

 

Duração
01.01.2011 - 31.12.2012

 

Instituições parceiras 
ProAsolutions.pt

 

Resumo
A importância deste projecto, para além da sua pertinência sócio-educativa, terá que ser vista em função do impacto do mesmo, sob várias perspectivas. Em primeiro lugar, trata-se de um projecto que nos permite estabelecer relações de trabalho com a prestigiada Fundação 'Design for All', onde se congregam técnicos provenientes das mais diferentes áreas, nomeadamente arquitectos, designers, urbanistas e outros, que visam contribuir para a transformação e o desenvolvimento de sociedades mais sustentáveis e inclusivas. Em segundo lugar, permite estabelecer relações estratégicas, em termos nacionais, a partir do trabalho a realizar com uma vasta rede de municípios e as instituições que os mesmos acolhem. Por fim, importa referir igualmente que este trabalho se cruzará com o trabalho de uma outra equipa que avaliará no terreno os efeitos das iniciativas a promover, entre outras coisas, no domínio dos projectos de formação que nos compete desenvolver.

De um modo geral, este projecto afirma-se através de duas valências essenciais: a da formação e a da investigação, enquanto valências autónomas, ainda que passíveis de permitir transfertilizações tão necessárias quanto pertinentes. Serão estas valências que descreveremos, de forma um pouco mais detalhada, nas próximas páginas deste documento, na medida em que são tais dimensões que constituem o compromisso nuclear sobre o qual assenta o projecto que agora se apresenta.
Os objectivos do projecto são:

a) (re)activar os mecanismos e os instrumentos locais e comunitários de acção daquela que é a realidade dos diferentes tipos de incapacidades físicas, através da contacto com instituições escolares ou associações culturais (entre outras) – do município em questão – que abarquem este projecto;

b) trabalhar em busca de uma publicitação sensibilizadora para os mais variados obstáculos dos espaços físicos públicos frequentados por todos e por todas, possuidores de incapacidades físicas ou não, no comum do quotidiano;

c) apostar na defesa pela inclusão e pela igualdade de oportunidades, por intermédio de dinâmicas, actividades e experiências formativas, que mais do que o 'dar a conhecer', permitam o transformar de visões, mentalidades e práticas sociais e culturais de acção;

d) promover uma cidade inclusiva e universal, que atravesse os próprios municípios, criando laços nacionais de percepção face à realidade do mundo das incapacidades físicas, e sobretudo, do mundo que ao ser de todos/todas, tem e deve ser aproveitado da mesma forma por todo/toda e qualquer cidadã/cidadão;

e) produzir materiais e dispositivos de formação que potenciem a comunicação e a experiência formativa das diferentes comunidades;

f) produzir registos publicáveis.