THRIECE - Teaching for Holistic, Relational and Inclusive Early Childhood Education

 

 

Financiamento

Programa Erasmus+, Comissão Europeia

 

Referência

2017-1-IE01-KA201-025698

 

Duração

26 meses
Data de início: 1-12-2017
Data de fim: 30-1-2020

 

Coordenação

Leah O’Toole
MIE-Marino Institute of Education, Trinity College Dublin, Irlanda

 

Parceiros

  • MIE-Marino Institute of Education, Trinity College Dublin, Irlanda (Coord.)
  • Carlow Educate Together, Irlanda
  • An Cosán, Irlanda
  • Play Together Childcare Carlow, Irlanda
  • CIIE-FPCEUP, University of Porto, Portugal
  • Agrupamento de Escolas Soares do Reis, Portugal
  • Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano, Portugal
  • University of Gdansk, Poland
  • Zespó? Szkolno-Przedszkolny nr 3 w Gdyni, Poland
  • Przedszkole Niepubliczne ?yrafa, Poland

 

Equipa do CIIE

Manuela Ferreira (Coord.)
Helena C. Araújo
Eunice Macedo
Sofia A. Santos
Alexandra Carvalho (Bolseira de investigação)

 

Descrição

O projeto THRIECE é uma iniciativa de investigação do Programa Erasmus+ sobre Educação e Cuidados na Primeira Infância (ECEC). Este projeto visa ser uma resposta de mudança à atual orientação da educação europeia, contrapondo-se aos discursos neoliberais que priorizam o conhecimento como "valor" enquanto desvalorizam áreas que não parecem ter utilidade numa economia global. Esse implacável impulso pela "qualidade" tem resultado no afunilamento do curriculum, na estandartização do ensino por meio da realização testes e de rankings internacionais, estabelecendo a mensuração quantitativa como árbitro da qualidade da educação. Argumentamos assim que para que os educadores europeus compreendam e satisfaçam as necessidades das crianças pequenas para uma EI de alta qualidade, precisam ouvir uma voz alternativa à agenda neoliberal.

Esta necessidade é particularmente importante para a ECEC, uma vez que a pressão descendente de "responsabilização" é cada vez mais forte. Por exemplo, Moss et al. (2016) levantam preocupações sobre as suposições, práticas e possíveis efeitos do Estudo Internacional de Aprendizagem Precoce e Bem-Estar da Criança da OCDE, que estende as comparações internacionais existentes do PISA no nível secundário para a mensuração padronizada de crianças de 5 anos. Também o conceito de "prontidão escolar" é problemático pois move o foco da aprendizagem ao brincar – vital no desenvolvimento da autorregulação e atenção – para uma pedagogia mais escolar, enfatizando o desenvolvimento de "habilidades básicas" e resultados de alfabetização (Bruckauf & Hayes, 2017) e propagando um modelo de déficit, com algumas crianças vistas como insuficientes, "despreparadas" para a escola, sem qualquer desconstrução sobre se as escolas estão prontas para as crianças (Brooker, 2015). Assim, se tratados de forma não crítica, as medidas de 'qualidade' podem se tornar instrumentos de reprodução social, excluindo grupos de crianças e suas famílias com base na classe social, língua e etnia, sendo pouco provável que o desenvolvimento de uma abordagem "de tamanho único" para a qualidade em toda a Europa, independentemente da experiência, formação ou cultura, seja bem-sucedido, uma vez que a ECEC varia muito transnacional e subnacionalmente (Bruckauf & Hayes, 2017).

Acresce que os parceiros do THRIECE – Irlanda, Portugal e Polónia – acreditam que esta situação atual é insuficiente para que a Europa contemporânea possa efetivar a inclusão social – a inclusão é de alta prioridade na Europa, e a ECEC foi identificada como um veículo importante para a transformação nesse sentido (EC, 2014). Atualmente, essa preocupação é mais urgente do que nunca, com a contínua migração em massa de pessoas deslocadas, esforços para reduzir o abandono escolar precoce na Europa e crescentes desafios enfrentados pelos educadores que negociam a tensão entre o cumprimento de indicadores padronizados e a garantia de ambientes educacionais inclusivos.

Neste sentido, os educadores da EI na Europa precisam de apoio na legitimação de um foco nas relações, na comunicação intercultural e no direito das crianças à participação, em vez de pontuações nos testes; desenvolvimento holístico, em vez de resultados de aprendizagem limitados; e inclusão e reconhecimento social e pessoal, em vez de práticas que excluem com base na etnia, classe social e gênero. Eles também precisam de estratégias práticas para implementar esses conceitos em seu trabalho do dia-a-dia.

O principal objetivo do projeto THRIECE - construir uma voz alternativa para a qualidade na ECEC e para apoiar a inclusão através do reconhecimento da natureza crucial das relações e interações sociais, valoriza os processos e baseia-se em três pilares interdependentes - uma ECEC de boa qualidade deve ser 'relacional', 'inclusiva' e 'holística':

  • A ECEC Relacional estabelece relações e interações entre educadores da primeira infância e crianças, crianças e seus pares, educadores e pais e ambientes e suas comunidades;
  • A ECEC Inclusiva valoriza as origens culturais, linguísticas e sociais das crianças;
  • A ECEC Holística valoriza 'o pensamento e a sensação de vida' e promove uma visão das crianças como aprendentes ativos, competentes e lúdicos.

 

O Projeto THRIECE é uma parceria entre 3 países – Irlanda (coordenação), Portugal e Polónia.

Cada um destes países é representado por uma equipa de educadores de infância, de professores do 1º ciclo e de professores do ensino superior, a quem cabe a responsabilidade de aprofundar a pesquisa e a intervenção de um dos pilares:

  • Educação holística - equipa polaca
  • Educação inclusiva – equipa portuguesa
  • Educação relacional – equipa irlandesa

 

O intercâmbio de práticas, a criação de ferramentas e recursos para melhoria e medição da qualidade dos processos educativos e a divulgação desses resultados localmente, nacionalmente, em nível europeu e internacional procura promover:

  • Elos de ligação entre ECEC de qualidade e uma série de resultados positivos ao nível social, emocional, comportamental, educacional e até físico que contribuem para a inclusão social e social, apoiando a "oferta de incentivos que estimulem a participação, fortaleçam a inclusão social e abraçando a diversidade" (EC, 2014, p. 9)
  • O empoderamento de educadores e professores da primeira infância através da difusão de um conjunto de ferramentas conceptuais e baseadas em práticas para a qualidade, com potencial para provocar mudanças transformadoras exponenciais na educação europeia, através do aumento da experiência de educação das crianças numa fase crítica das suas vidas.

 

O Projeto THRIECE iniciou-se em dezembro de 2017 e tem a duração de 26 meses.