PT
EN

Estudos Pós Doutoramento

 

1. Preditores psicossociais da saúde sexual em doentes com cancro

Este estudo tem como objetivo principal testar o efeito de um conjunto de variáveis psicossociais (e.g., dimensões da personalidade, estados emocionais, inibição/excitação sexual, ajustamento diádico) na saúde sexual de doentes oncológicos.

Outros estudos:
Fatores de vulnerabilidade psicológica nas disfunções sexuais
Fantasia sexual e funcionamento sexual
Sexualidade e Infertilidade 

Investigador responsável: Ana Gomes (bisagomes@gmail.com)

2. Estudo Clínico Controlado sobre Eficácia no Tratamento da Dor Sexual em Mulheres

A dor sexual é uma problemática habitualmente crónica que afeta muitas mulheres, sendo difícil a determinação de um tratamento eficaz. O principal deste projeto é testar a eficácia de um programa de intervenção estruturada na dor sexual feminina baseada na Terapia Cognitivo-Comportamental e nas Terapias de Terceira Geração. Serão igualmente avaliados os diferentes preditores da mudança terapêutica. Será necessária a participação de um de 90 mulheres no presente projeto, sendo esperada uma mudança em diferentes variáveis avaliadas ao longo do tratamento e uma melhoria significativa na dor e na qualidade de vida sexual das mulheres que vivenciam estas dificuldades, após o tratamento.

Investigador responsável: Cátia Oliveira (catioliveira@gmail.com)

3. Bem-estar Sexual e Fatores associados em Homens e Mulheres com Fibromialgia

O objetivo deste projeto é promover o conhecimento dos efeitos da Fibromialgia no bem-estar sexual em homens e mulheres, assim como dos seus parceiros. A Fibromialgia carateriza-se por uma dor músculo-esquelética crónica e generalizada, associada a fadiga, alterações nos padrões de sono, alterações cognitivas, alterações de humor, e outros sintomas somáticos. Afeta cerca de 2 a 3% da população adulta, e é 6 a 9 vezes mais frequente nas mulheres. Exerce um impacto negativo na qualidade de vida comparável, ou superior, a doenças reumáticas. A sexualidade é um aspeto importante da qualidade de vida da maioria das pessoas. Neste sentido, o presente estudo foca-se no bem-estar sexual, e engloba recolha de dados qualitativos (entrevistas) e quantitativos (questionários). Inicialmente serão avaliados os efeitos da Fibromialgia ao nível dos diversos aspetos do bem-estar sexual em homens e mulheres com fibromialgia, e dos seus parceiros, incluindo o comportamento sexual, motivação, pensamentos, emoções e disfunções sexuais. De seguida pretende-se testar um modelo em que a Fibromialgia é proposta como um fator negativo para o bem-estar sexual, e que descreva caraterísticas individuais, relacionais, e da própria doença. Ao incluir os dois membros do casal, pretende-se determinar o impacto da Fibromialgia no bem-estar sexual do parceiro (não diagnosticado com Fibromialgia), assim como as influências recíprocas em ambos os parceiros. Por fim, os dados serão cuidadosamente integrados num modelo sobre o bem-estar sexual em indivíduos com Fibromialgia, tendo em consideração as diferenças de género, de forma a promover o seu bem-estar sexual, e dos seus parceiros.

Para mais informações: Link
Investigador responsável: Pablo Santos (psantos@ugr.es)

4. Vulnerabilidade Cognitiva Para as Disfunções Sexuais:
Uma Abordagem Diádica e Experimental

Este estudo centra-se nos efeitos diádicos de diferentes constructos psicológicos na resposta sexual de pessoas heterossexuais autoidentificadas como envolvidas em relações monogâmicas de forma a desenhar melhores projetos terapêuticos destinados a esta população

Investigador responsável: Patrícia M. Pascoal (pascoal.patricia@gmail.com)

 

5. Comportamentos Sexuais em Jovens Ofensores Sexuais

Nos últimos anos alguns estudos têm sugerido eventuais diferenças de comportamento entre jovens agressores sexuais e outros jovens agressores. Variáveis como problemas de comportamento ou condutas antissociais têm sido referenciadas como distinguindo estes jovens agressores. Uma das dimensões menos estudadas prende-se com o estudo dos comportamentos sexuais destes jovens agressores e eventuais diferenças entre os mesmos. Este projeto de investigação, devidamente aprovado pela comissão de ética, pretende, assim, estudar de modo mais atento o comportamento sexual de jovens que cometem crimes sexuais entre os 14 e os 18 anos de idade. Os resultados poderão indicar algumas variáveis com peso significativo na etiologia das agressões sexuais cometidas por menores de idade.

Investigador responsável: Ricardo Barroso (rbarroso@utad.pt)

6. Eficácia da Terapia Cognitivo-Comportamental e da Terapia baseada no Mindfulness na Perturbação do Desejo e da Excitação Sexual nas Mulheres

As problemáticas sexuais, nomeadamente a diminuição do desejo/excitação sexual, podem trazer sérias consequências ao nível do bem-estar, intimidade, comunicação e satisfação sexual, quer individualmente quer ao nível do casal. O principal deste projeto é testar a eficácia de um programa de intervenção de 8 semanas baseado no mindfulness e na autocompaixão na perturbação do desejo/ excitação sexual em mulheres portuguesas. No presente estudo podem participar mulheres com e sem dificuldades sexuais, com idade mínima de 18 anos e que se encontrem, na pré-menopausa. Para participar no estudo ou obter mais informações, contactar a investigadora responsável por e-mail (sandravilarinho@gmail.com) ou via móvel (963083411).

Investigadora responsável: Sandra Vilarinho

7. Intervenção psicológica na Pedofilia: Estudo clínico controlado sobre a eficácia da Terapia Focada nos Esquemas

O presente projecto tem como objectivo principal testar a eficácia da Terapia Focada nos Esquemas (TFE) enquanto intervenção psicológica na Pedofilia, bem como investigar os preditores e correlatos da mudança terapêutica. O estudo incluirá 60 indivíduos do sexo masculino com diagnóstico de Pedofilia, recrutados em prisões portuguesas. Os participantes serão distribuídos aleatoriamente por duas condições: 1. TFE em grupo; 2. Lista de espera (grupo de controlo) e serão avaliados em três momentos distintos (pré-intervenção, pós-intervenção e após 6 meses de follow-up). Espera-se que os resultados possam ter implicações significativas na prevenção e intervenção numa parafilia com graves repercussões sociais.

Investigador responsável: Vera Leirós (vera.sigre.leiros@gmail.com)